sábado, 1 de novembro de 2008

Google tropeça feio — e leva muita gente junto

Tenho um bom amigo que é um ótimo informata — e foi prejudicado pela Google.

Ele foi levado pela Google de seu estado natal para trabalhar em Belo Horizonte, Minas Gerais, junto com filha e mulher — que agora está grávida. E depois de cerca de um ano, a Google fechou seu departamento em Belo Horizonte e ele se vê desempregado, em terra estranha, com três dependentes.

É ou não sacanagem?

3 commentaires:

Alexsander disse...

Não é uma questão de "sacanagem", mas de escolhas e suas conseqüências. Seu amigo resolveu correr o risco de se dar muito bem, de ter uma carreira longa e bem sucedida na empresa mais badalada do mundo... mas não deu certo. Mesmo que não tenha sido culpa dele, a escolha de ir para a Google foi dele.

Há o lado oposto: gente que faz concurso e garante um salário (nem sempre alto) o resto da vida. Não corre o risco de ficar desempregado mas também não tem chance de ficar milionário.

Tenho certeza que seu amigo vai encontrar em breve uma nova colocação, pois a Google costuma ser exigente e acrescenta um bom peso ao currículo dele.

Anônimo disse...

Você não deixa de ter razão, Alexandre, mas creio que há realmente o lado da má-fé. Porque negligência e inconseqüência não deixam de ser má-fé.

Creio que meu amigo foi, sim, imprudente, ao mudar-se com família sem ter um contrato de, ao menos, três anos. Eu mesmo já cometi o mesmo erro, e bem mais dramaticamente que ele. Mas ainda assim é injurioso ser tratado assim pelas empresas: na hora em que precisam de ti, prometem mundos e fundos e te fazem atravessar meio mundo. Muda a situação, há problemas econômicos ou políticos, e cai a casa — sobre ti.

Há limites para a inconseqüência, e as organizações têm de ser exigidas num nível maior que indivíduos, ainda mais indivíduos jovens. E creio que a presente crise prova bem isso.

Anônimo disse...

LEANDRO, parabéns pelo Blog está legal!
Ajuda as pessoas a economizarem tempo e dinheiro. Muito gentil de sua parte partilhar as experiências nas exposições.

Vamos ao ponto, o que posso fazer para dar uma força ao teu amigo?
Peça a ele para conectar-se com minha rede no www.linkedin.com/in/carlosalvino

email:loxlok@gmail.com

Ali posso encaminhar recomendações para ele e indicá-lo para a minha rede. Demora a conseguir algo, mas sempre ajuda mais que ficar nos cold-calls.

O resto que ele passou foi uma experiência ruim, devido a inexperiência.

Recomendo sempre que os nossos profissionais, brasileiros em particular, percam a timidez e deixem de lado o orgulho e perguntarem a quem está a mais tempo no mercado, como proceder antes de se meterem em eventuais aventuras.

A gente busca o caminho com as pessoas desconhecidas na rua quando está sem orientação, porque não buscar o caminho profissional com os que estão no mercado? É a mesma atitude, simples e direta. Por que o preconceito que vejo nos jovens em perguntar aos mais experientes?

Todos podem ser mentores-minuto.
Só isso.

Todos gostamos de apoiar as pessoas que perguntam algo, é o espirito dos tempos.

Por exmeplo, procuraria alguém que já passou pela empresa que pretende entrar e pergunta como foi a experiência. Se perguntarem para ele por exemplo, o que ele diria sobre sua experiencia?
percebe.
Só perguntar.
Abraço Forte,
Sucesso,
Carlos Alvino.
PS: No meu blog tem um link para um artigo meu sobre um tema que tem exatamente duas ou três dicas para apoiar em tempos de crise.

está logo na primeira página.
Se desejar leia, não serão mais que 10 minutos para ler todos os artigos e aproveitar um pouco de minha experiência em alguns problemas que passei.

Venha visitar-me!